O mundo está envelhecendo e os índices não negam. Segundo um levantamento da OMS (Organização Mundial da Saúde), entre os anos de 2015 e 2050 a expectativa é que pessoas com mais de 60 anos de idade representem de 12% a 22% do total da população mundial.

Somente no Brasil estima-se que em aproximadamente 10 anos a população terá mais idosos do que crianças (de 10 anos ou menos). Com mais longevidade e menos nascimentos, além das mudanças, a tendência é que a participação dos idosos fique mais ativa na sociedade. Na verdade, essa participação já tem sido bem notável.

Contrariando aquela concepção de que idosos não são produtivos, conectados e ativos e que a terceira idade é uma fase de dependência e solidão, atualmente a população idosa tem alçado novos voos e quebrado paradigmas.

Qualidade de vida

Conceitos e iniciativas como envelhecimento ativo, direitos da população idosa e proteção social estão sendo incorporados gradualmente na sociedade brasileira. Não é por acaso. Você possivelmente deve conhecer idosos que são mais atuantes, participativos, independentes e cientes dos seus direitos e que estão totalmente prontos para aproveitar mais o tempo, vivendo por mais anos, sobretudo tendo uma qualidade de vida melhor.

Entre as atitudes modernas, envelhecer entre amigos ou com ajuda especializada tem sido umas das melhores formas de afastar o sentimento de solidão, e hoje muitos idosos sentem esta necessidade.  Mas, como é possível manter a autonomia, ter mais qualidade de vida e saúde, envelhecer de forma ativa e ainda ter o suporte necessário?

Estes e outros benefícios são oferecidos hoje pelas Instituições de Longa Permanência para Idosos, como o SBA Residencial, que é especializado em atender todos os idosos, desde os independentes, até aqueles que precisam de cuidados especiais, principalmente se possuem alguma condição que precisa de mais atenção, como, por exemplo, o Alzheimer.

No momento de decidir…

O conceito pode parecer novo e ainda se misturar com a velha ideia de “asilo”. E é por isso que, para muitas pessoas, decidir institucionalizar o familiar idoso é um assunto bastante delicado. Geralmente, não é uma decisão planejada, mas que acaba acontecendo em situações extremas, o que pode tornar o processo doloroso para todos os envolvidos.

É por isso que ainda encontramos por aí muitas pessoas que conservam uma visão totalmente estereotipada das Instituições de Longa Permanência, mas precisamos vencer essa barreira cultural que ainda existe entre os brasileiros.

Venha para o SBA Residencial

Nossa missão é oferecer a melhor experiência ao idoso, pois prezamos a autonomia e o bem-estar de cada residente. Aqui todos podem receber visitar dos seus amigos e familiares, participar de passeios internos e externos e ainda realizar diversas atividades de acordo com os interesses pessoais.

Então, se a família juntamente com idoso pensam nesta alternativa, a primeira coisa que devem saber é que o apoio dos familiares no momento da institucionalização e também da adaptação do idoso é fundamental para o bem-estar de todos.

Com o tempo, a decisão se mostrará a melhor, pois a família conseguirá enxergar que o idoso está recebendo os cuidados necessários de uma equipe especializada, vivendo em um local estruturado especialmente para esta fase da vida e participando de atividades que garantem não só a saúde, mas a felicidade que qualquer ser humano precisa.

 

Referências

A decisão de institucionalizar um idoso

É hora de aposentar seu conceito de “velho”: dados e insights sobre os sêniores do Brasil